sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Missão: Impossível - Protocolo Fantasma

"Nós voltaremos com o alvo... ou não voltaremos."

          Normalmente, costuma-se observar certo desgaste em toda franquia que se prolonga por muitos filmes. Em geral, as que chegam ao terceiro capítulo e, principalmente, as que passam do mesmo. Porém, Missão: Impossível, que chega aos cinemas pela quarta vez mostra-se, ainda, com o fôlego necessário para fugir dessa sina. Com a direção de Brad Bird, consegue-se dizer um pouco mais sobre Ethan Hunt. Já o enredo, apesar de simples e, vale dizer, ligeiramente fraco, dá argumentos para um desenrolar que sempre surpreende o público, especialmente nas cenas de ação.
          Na trama, Hunt, o famoso agente da I.M.F. (Impossible Missions Force) vivido por Tom Cruise, vê-se em uma situação extrema: tanto ele, como toda a equipe, encontram-se sob a acusação de causarem um bombardeio terrorista. O 'protocolo fantasma' é, então, acionado pelo presidente e desativa toda a I.M.F. Agora, Ethan precisa limpar o nome da agência e o seu próprio, além de impedir outro futuro atentado, o qual incitará uma guerra nuclear. Para isso, ele terá apenas três agentes e o conteúdo de um vagão.
          Em Missão: Impossível 3, J.J. Abrams (Star Trek, Super 8) assumiu a direção e entregou, talvez, o melhor longa da franquia. A grande sacada de Abrams foi usar uma trama que envolveu o lado pessoal de Ethan Hunt, para ter-se, dessa forma, um personagem mais humanizado. Agora, Brad Bird dá sequência ao trabalho do último, que permanece como produtor, e preza por desmitificar o inabalável agente da I.M.F.
          O fato de estarem sem recursos e sem apoio apenas favorece o objetivo de Bird. Por mais que Ethan ainda seja o 'nº1' e esteja lá para salvar o dia, a falta de um planejamento mais detalhado das missões revela que até mesmo ele pode falhar... O que leva à surpresa do público nas cenas de ação, as quais são muito bem arquitetadas por Bird.


          Porém, a falta de um enredo mais inteligente e de um Philip Seymour Hoffman como antagonista pesam ao se comparar este longa com o anterior. O roteiro envolve até mesmo os já desgastados russos e como vilão tem-se um louco extremista. É como se a trama fosse uma grande desculpa para colocar Ethan Hunt e sua equipe em uma situação de desespero.  Protocolo Fantasma perde, claro, muitos pontos com isso, mas há de se convir que o objetivo final é alcançado. A busca pelo terrorista é frenética e o espectador dará, provavelmente, uns bons pulos na cadeira.
          Contudo, vale lembrar que, à época, a exposição pessoal e o desgaste da imagem de Tom Cruise foram considerados responsáveis pelo relativo fracasso (em bilheteria) do terceiro longa. Soma-se a isso o fato do astro já não ser nenhum garotão e tem-se o porquê  da adição, acertada, de Jeremy Renner ao elenco.
          O ator, que vê sua carreira crescer exponencialmente, mostra-se como um novo rosto à franquia, para os que já se cansaram de Tom Cruise. E inserindo alguém quase tão bom quanto Hunt, dá-se mais credibilidade ao mundo de espionagem retratado no longa. Há, inclusive, especulações de que Renner assuma a franquia futuramente.
          Por fim, vale dizer que Brad Bird veio de longas animados (Ratatouille, Os Incríveis) e, portanto, sua incursão no 'mundo real' foi mais que satisfatória. A grande sacada da equipe do novo 'M.I.' foi não invalidar o que Abrams fez, mas, pelo contrário, dar continuidade. Das animações, Bird trouxe a comédia e logo explica-se o aumento gigantesco da participação de Simon Pegg.

          Entretanto, em tempos de James Bond (na pele de Daniel Craig) e Jason Bourne, vê-se que Missão: Impossível tornou-se um filme bem light no quesito 'espionagem', mas como peça de ação... desfruta de muitos méritos.

Gostou da crítica? Não concorda com algo que foi dito? Quer acrescentar algo? Deixe um comentário! Sua opinião é fundamental para o desenvolvimento desse Blog! Abraços!

2 comentários:

  1. Achei este o melhor da franquia! :)
    A sequência em Dubai é sensacional. Os toques de humor são bem-vindos, deixando o filme mais divertido, mas sem transformá-lo em uma comédia. As cenas de ação são de tirar o fôlego.

    Um ótimo começo para Brad Bird em longas live action.

    Um abraço,
    Thomás
    http://brazilianmovieguy.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá! Adorei seu blog, muito criativo! Também tenho um blog sobre cinema e gostaria que vc desse uma olhada. O endereço é: http://www.criticaretro.blogspot.com/ Passe por lá! Lê ^_^

    ResponderExcluir

Comentar: